1

A PRODUÇÃO LITERÁRIA NO TOCANTINS

Analisar a produção literária no Tocantins nos leva consequentemente a questão da quantidade e da qualidade. Quanto a quantidade, dizer que o Tocantins possui uma produção literária pequena é um pouco arriscado. Se nos referimos ao números de autores, podemos considerar que ainda temos um número pequeno. A maioria desses autores são poetas, alguns contista e pouquíssimos romancistas. Quanto a produção técnica, são ainda mais raros os que produzem ensaios ou exercem a crítica literária. Agora se pensarmos produção enquanto quantidade de material preparado por seus autores, teremos um quantitativo bem maior do que o que vemos circulando. Temos autores que mais de um livro pronto para publicar. No entanto, temos uma publicação pequena. A pequena presença de editoras, e a maioria não especializadas em produção de livros no Estado, o alto custo cobrado pelas gráficas no Estado ou pela publicação em outros Estados, a falta de incentivos públicos e privados permanentes para a publicação, são alguns pontos dificultantes para a produção literária tocantinense. No entanto, devemos levar em consideração que o Estado do Tocantins é extremamente jovem e não podemos querer que já tivéssemos um grandioso número de publicações. Ao se considerar esse ponto podemos evitar o equívoco de ficarmos comparando a produção tocantinense com a de outros Estados, já com uma história de vida bem mais longa que a nossa. Temos uma pequena quantidade, mas que aumenta em um bom ritmo. Quanto a questão da qualidade, claro que não se aplica a todas as obras, mas a produção de modo geral também ainda apresenta muitos problemas. Baixa ou ausência de literariedade em obras publicadas como literatura, baixa qualidade estética das obras - tanto ao conteúdo quanto ao produto livro -, classificação inadequada das obras nos gêneros literários, a não transcendência temática, a reprodução mimética do mundo, dentre outros, são fatores qualitativos que precisam serem desenvolvidos na literatura produzida no Tocantins. Alguns fatores como, por exemplo, a pequena existência de atividades formadoras como cursos, oficinas, debates, seminários, para os autores já existentes e para formação de novos autores; a ausência - e até mesmo resistência - de se trabalhar com a literatura tocantinense nas escolas, a resistência das livrarias em comercializar os livros tocantinenses, colaboram para esse não desenvolvimento. A existência de organizações com as acadêmias de letras - ATL, APL, AGL, ACALANTO, dentre outras - são importantes e devem contribuir muito com a produção literária, por ser a essência desse tipo de organização a busca pela união da classe, pela produção e pela difusão da literatura. A presença no Tocantins de empresas que desenvolvem ações culturais de formação e leitura literária - como o SESC e Fundação Fé e Alegria - que proporcionam incentivos financeiros - como a REDE/CELTINS - que proporcionam parcerias e serviços especializados na área de publicação e assessoria literária na produção - como a NAGÔ EDITORA - e que promovem atividades de discussão do fazer literário como debates e seminários como as faculdades - UFT e UNITINS - também são de extrema importância para o desenvolvimento da produção e da própria literatura tocantinense e um exemplo a ser seguido por outras instituições, sejam elas públicas ou privadas.

|

1 Comments


Flávio, vc tem algum artigo sobre este assunto?

Postar um comentário

Deixe seu comentário:

Siga-nos

Marcas

Contador de visitas

Copyright © 2009 FLAVIO ALVES DA SILVA All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by FalconHive. Distribuído por Templates